Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A rapariga do autocarro

30
Out17

O meu fascínio pelo fantástico continua

 

 Esta saga chama-se Ciclo dos Demónios e é de de Peter V. Brett., vai no quarto volume e para quem gosta de fantasia não deve deixar escapar.

Fiquei encantada com o primeiro volume O homem Pintado, por isso tornou-se uma ânsia esperar pelo próximo,  agravado pelo facto do autor ter a mania de acabar os livros  duma forma que nos deixa à beira duma sícope. Falta o 5º volume que ainda não está traduzido, por isso estão a imaginar as minhas angustias

Tenho uma critica ao autor, acho que se concentra por vezes em demasia num só personagem, afastando-se um pouco do fulcro da história, mas a riqueza dos cenários e dos personagens compensa esse aprofundamento, eu é que quero ver o fundo à canastra rapidamente!!! 

SINOPSE

"Num mundo povoado por demónios que dominam a noite, forçando os seres humanos a esconderem-se atrás de guardas mágicas à espera que o sol nasça, o jovem Arlen assiste ao massacre da sua família por causa da cobardia do pai. A partir desse momento tudo muda e Arlen parte numa viagem de descoberta que o levará a percorrer o mundo e a conhecer Leesha e Roger. Os três são a última esperança da humanidade na luta contra os demónios. Só que por vezes os demónios mais difíceis de vencer são os que trazemos dentro de nós. Juntos estes três jovens oferecem à humanidade uma última e fugaz hipótese de sobrevivência. "

"Na noite erguem-se demónios que os mais corajosos enfrentam, outros limitam-se a ficar na segurança das guardas até ao amanhecer quando os monstros voltam ao Núcleo.

Arlen Fardos é um Mensageiro que depois da traição de Jardir que o vê como um rival a Libertador, é deixado no deserto para morrer, mas Arlen não é qualquer um e ergue-se no deserto como o Homem Pintado, com força para matar demónios apenas com as mãos.

O Sol põe-se sobre a Humanidade. A noite pertence agora a demónios vorazes que se materializam com a escuridão e que caçam, sem tréguas, uma população quase extinta, forçada a acobardar-se atrás da segurança de guardas de poder semi-esquecidas. Mas estas guardas apenas servem para manter os demónios à distância e as lendas falam de um Libertador; um general, alguns chamar-lhe-iam profeta, que em tempos uniu a Humanidade e derrotou os demónios. No entanto esses tempos, se alguma vez existiram, pertencem a um passado distante. Os demónios estão de volta e o Libertador é apenas um mito… Ou será que não?"

 

 

8 comentários

Comentar post